Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

LOIÇA DESCARTÁVEL: QUAL A ALTERNATIVA PARA ESTE PRODUTO COM TÃO ELEVADO IMPACTO AMBIENTAL?

Mäyjo, 31.12.16

copos-descartaveis

Em época de jantares de Natal dia sim dia não, muitas vezes a nossa tentação é correr para as prateleiras dos pratos, copos e talheres descartáveis disponíveis em todos os supermercados. No entanto este gesto tem um elevado impacto negativo no ambiente.

 

Produzidos a partir de um recurso não renovável, estes objectos descartáveis têm um tempo de vida útil muito pequeno e uma pegada ecológica bastante elevada. No entanto, por vezes usar pratos ou copos de loiça de vidro não é muito adequado, caso das festas no exterior ou com crianças, pois não é tão prático e seguro.

A solução fácil para resolver este problema passa pela utilização de produtos reutilizáveis em plástico. Feitos em material resistente e com uma grande diversidade de formas e tamanhos, podem ser usados de forma segura, tornando-se numa boa opção para quem quer conjugar o aspecto prático com escolhas ambientais mais conscientes.

O Minuto Verde é uma rubrica produzida pela Quercus e emitida aos dias úteis na RTP.

Foto: via Creative Commons

 

DE QUE TE ARREPENDES MAIS NA TUA VIDA?

Mäyjo, 31.12.16

em época de balanços e reflexões deixo-vos o mais recente trabalho de Alecsandra Raluca Dragoi, uma fotógrafa romena que procura junto dos cidadãos anónimos a resposta para a pergunta: “De que te arrependes mais na tua vida?”

 

O projeto procura “estranhos” – de dia e não à noite – que, em nome da arte, desabafem para a câmara.

O projeto chegou mesmo à competição de fotografia do National Geographic Traveler e foi desenvolvido nas ruas inglesas e romenas, com pessoas de ambas as nacionalidades.

O objetivo de Alecsandra foi explorar as ideias de comunicação e interação humana. “É verdade que muitas das pessoas que abordei não escreveram nada na folha e, outras, disseram que era algo muito pessoal, mas tive a oportunidade de encontrar pessoas simpáticas com quem pude falar”, explicou.

Alecsandra acredita que o seu projeto pode ajudar a pessoas a sentirem-se mais poderosas, retirando algum peso da sua consciência. “Quando partilhamos pensamentos com alguém, até com um estranho, libertamos uma nódoa negra que está na nossa alma e podemos sentir-nos livres”, concluiu.

Veja algumas das fotos do projeto e, por baixo, o significado de cada frase, em português.

 
 

Do que se arrependem estas pessoas? 

PORTUGUESES CRIAM DISPOSITIVO PARA MEDIR TAXA DE ALCOOLÉMIA ATRAVÉS DO SMARTPHONE

Mäyjo, 31.12.16

Se vai passar o Fim de Ano fora de casa, é capaz de ser boa ideia ter esta tecnologia à mão

alcool

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) criou um dispositivo eletrónico que, ligado a um telemóvel, mede a taxa de alcoolémia. Para accioná-lo o condutor só tem de soprar para um sensor ligado por Bluetooth ao seu smartphone.

 

Esta aplicação foi desenvolvida no Departamento de Engenharias da UTAD, no âmbito do mestrado em engenharia eletrotécnica e de computadores realizado por Ana Patrícia Queirós Gomes, sob a orientação dos investigadores Lio Fidalgo Gonçalves e Raul Morais dos Santos.

O alcoolímetro smartwatch wearable integra uma aplicação móvel que possibilita a rápida e fácil estimativa da taxa de alcoolémia por analogia à quantidade de álcool detectado na respiração do seu utilizador. Já testado, este sistema mostrou resultados cuja precisão foi confirmada através da sua comparação com o aparelho atualmente utilizado pelo comando da Polícia de Segurança Pública de Vila Real.

Os responsáveis por este trabalho reconhecem a importância, não só da “oportunidade de o condutor poder aferir a taxa de alcoolemia a qualquer hora com a conveniência de um dispositivo wearable, mas sobretudo de, através desta monitorização, poderem resultar grandes progressos na prevenção de acidentes rodoviários”.

Foto: via Creative Commons

 

BRASIL RATIFICOU ACORDO DE PARIS MAS CONTINUA A DESFLORESTAR A AMAZÓNIA

Mäyjo, 30.12.16

Desmatamento em Roraima

Apesar de ter ratificado o Acordo de Paris, que visa reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, o Brasil aumentou a taxa de desflorestação da Amazónia. Em relação ao ano passado, a área desbastada no pulmão do planeta cresceu.

 

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais a desflorestação na Amazónia, no período de Agosto de 2015 à Julho de 2016 foi de 7989 km², 29% maior que em idêntico período no ano anterior.

Esta destruição libertou para a atmosfera, segundo cálculos do mesmo instituto, 586 milhões de toneladas de carbono equivalente, ou seja, o mesmo que oito anos das emissões de todos os automóveis que circulam no Brasil.

Com este comportamento o Brasil distancia-se das metas estabelecidas pela última cimeira do clima patrocinada pela ONU e contraria a evolução que estava a ser seguida, no sentido de reduzir o desmatamento da Amazónia. Na verdade é a primeira vez, em 12 anos, que o desmatamento na maior floresta tropical do planeta apresenta aumento consecutivo.

Foto: Greenpeace Brasil / Creative Commons

ERICEIRA QUER SURF EM ÁREA DE PAISAGEM PROTEGIDA

Mäyjo, 29.12.16

ericeira

A Câmara Municipal de Mafra e as associações guardiãs da Reserva Mundial de Surf da Ericeira, única na Europa, e defenderam a criação de uma Área de Paisagem Protegida na zona. Se esta medida for concretizada o surf da Ericeira será o segundo a nível mundial a ficar integrado num parque natural.

 

“A reserva mundial de surf não é mais do que uma marca americana que tem sido utilizada para vender a Ericeira como destino turístico e queremos antes que seja uma verdadeira reserva natural”, disse Tiago Matos, presidente da Associação dos Amigos da Baía dos Coxos, à agência Lusa. Outras organizações ligadas ao surf da região, como o Ericeira Surf Clube e a Associação S.O.S Salvem o Surf – que em Portugal representa a organização mundial Save the Waves, que atribuiu à Ericeira o estatuto de Reserva Mundial de Surf – são da mesma opinião, assim como a própria Câmara de Mafra.

O objetivo, segundo afirmaram os representantes deste movimento, é impedir a construção e limitar o estacionamento e o trânsito automóvel, a fim de proteger melhor a zona do ponto de vista ambiental.

O presidente da autarquia, Hélder Sousa Silva, esclareceu à Lusa que a zona já integra a Rede Natural 2000 e está sob protecção “total” do Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) e do Plano Director Municipal, mas segundo Tiago Matos o trabalho para transformar a reserva em área protegida tem avançado muito devagar.

A Ericeira tornou-se em 2011 reserva mundial de surf, cujo território integra a faixa costeira entre a praia da Empa e a praia de São Lourenço e é delimitado pela estrada nacional 247, reunindo 22 ondas de classe mundial numa distância de apenas 13 quilómetros. É a única na Europa e uma das oito existentes em todo o mundo, sendo duas na Califórnia (Estados Unidos da América), outras duas na Austrália e as restantes no Chile, México e Peru.

Foto: via Creative Commons 

 

Pág. 1/7